terça-feira, setembro 26, 2006

297 - a definição de Amor


Depois do desafio do António Rosa, hoje encontrei uma poesia de Sérgio Godinho sobre a definição de Amor. Não resisti a publicar, salvaguardando os devidos direitos de autor, logicamente.
Definição do Amor
"Amor é fogo que arde sem se ver
é ferida que doi e não se sente
é um contentamento descontente
é dor que desatina sem doer"
(Camões)
Que o poeta de todos os poetas
me conceda boa estrela
que a estrela de todos os astros
me premeie na lapela
prémios de honor
prefiro os muitos
oferecidos pelas mãos do amor
coroando o amor e seus heterónimos
nem vão caber nos Jerónimos
Amores anónimos não há
e assim foi pela madrugada
mesmo que seja um "assim fosse"
vou nomear-te namorada
ninguém já soube o que é o amor
se o amor é aquilo que ninguém viu
uma cor que fugiu
de um pano leve
e pairou serena e breve
no ar
(Pousa agora, borboleta
na pena deste poeta:)
É uma cor que dá na vida
o amor
é uma luz que dá na cor
É uma cor que dá na vida
o amor
é uma luz que dá na cor
mas é uma batalha perdida
que se trava com ardor
é uma cor que dá na vida
o amor
dor que desatina sem doer
Se devagar se vai ao longe
devagar te quero perto
mesmo que o que arde nunca cure
vou beijar-te a sol aberto
é já dos livros que o instante
se parece tanto com a eternidade
e que o amor, na verdade
só se cansa de ti
se de ti mesmo te cansas
Mordidas mansas, emoções
suspiros densos, afagares
liberto das definições
o amor define os seus lugares
ilhas desertas até ver
ver o sol, a chuva
o arco do corpo
arco-íris, corpo a corpo
cara a cara, cor a cor
incandescendo o olhar
(Pousa agora, borboletana
pena deste poeta:)
É uma cor que dá na vida
o amor...
E ao pôr o dedo nas feridas
que supúnhamos curadas
provas de fogo atravessamos
no mar alto festejadas
não se controla o inesperado
nem se diz o indizível do amor
uma cor que fugiu
de um pano leve
e pairou serena e breve
no ar
(Pousa agora, borboletana
pena deste poeta:)
É uma cor que dá na vida
o amor...
Sérgio Godinho, in Na Vida Real

18 Comments:

At 26/9/06 04:05, Anonymous Saramar said...

Kalinka, fiquei sem palavras diante de tanta beleza.
O poema é maravilhoso!

beijos

 
At 26/9/06 04:15, Blogger UrsaM said...

Oi Kalinka, vim aqui te dar um abraço ariano em meio ao mes de balançar! angela

 
At 26/9/06 04:56, Blogger Kafé Roceiro said...

Beleza, querida amiga.
Acho que existem amor de várias maneiras. Só existe um que é incondicional: de pai pra filho.
Beijos procê. Kafé.

 
At 26/9/06 09:24, Blogger Isa&Luis said...

Olá menina,

Lindo lindo gosto muito do Sergio Godinho.

Deixo-te um poema meu

O Amor

O amor será sempre eleito
dum coração inflamado,
por onde vagueia a esperança
de encontrar o consagrado.
Acalenta o sonho acordada,
perdida em mil pensamentos
e, em alvorada de desilusões,
se espelha suavemente a luz
numa alma apaixonada
onde reina a esperança
de um dia ser encontrada,
acordando finalmente da letargia
feita de sonho, doçura, encanto e fantasia.


beijinhos muitos para ti

Isa

 
At 26/9/06 10:57, Blogger Nilson Barcelli said...

Sempre gostei do que o Sérgio Godinho escreve.
Este poema não foge à regra.
Um beijo.

 
At 26/9/06 11:00, Blogger o alquimista said...

Lindo...! Sérgio Godinho, obrigatório na minha discoteca, as letras e escritos dele têm a musicalidade das esferas...

Doce beijo

 
At 26/9/06 11:21, Blogger Miguel said...

Kalinka,

Não conhecia ...!
Mais um testemunho sobre o Amor!

Bjks da Matilde

 
At 26/9/06 15:12, Blogger legivel said...

Ora cá está o feedbackà sua visita ao meu blog... uma vez que já regressei da pausa então anunciada.

Vou dar uma volta pelo seu blog que numa primeira impressão me parece culturalmente bem animado.

 
At 26/9/06 15:53, Blogger BroTTas said...

confirma-se o Serginho tem a veia poetica.... lol.. muito bom este poema

 
At 26/9/06 17:21, Blogger Pierrot said...

Gira esta forma de descrever o amor.
Também eu já o tentei fazer e acredita que ainda que o adjectivemos de forma diferente não fica estranho a estas palavras tão bonitas que nos deixaste.
Grande blog este o teu. Amei.
Gracias por teres passado pelo meu cantinho.
Bjos daqui
Eugénio

 
At 26/9/06 21:59, Blogger Mocho Falante said...

Excelente este poema de Sérgio Godinho....obrigado pela partilha

beijocas

 
At 26/9/06 23:34, Blogger Pé de Salsa said...

Olá Kalinka,

Não conhecia este poema do Sérgio Godinho, que é lindo, assim como deliciosa é a imagem que aqui publicaste.

Gostei mesmo muito e é uma pena que não tenha sido incluído no já famoso livro do António Rosa.

Um abraço para ti.

 
At 26/9/06 23:35, Blogger margusta said...

Querida Kalinka,
...muito bonito sem duvida este poema de Sérgio Godinho...obrigada por partilhares, pois desconhecia .

Um beijinho para ti doce Kalinka e uma boa noite!

 
At 27/9/06 00:15, Blogger greentea said...

ele ha tantas formas de amor---

beijos

 
At 27/9/06 03:50, Blogger caninos said...

Séria mas muito linda.

Kalinca eu mandei a resposta em email? não chegou? dizia que podia ser hj se quizesses até no Forum Montijo, pois é mais perto para ti não?

Tenta comunicar, talvez possamos ainda encontrar-nos...


Beijos

 
At 27/9/06 13:53, Blogger ALEXIA said...

não é dos meus preferidos o sergio claro, mas a definição está lá.

beijinhos

 
At 28/9/06 22:00, Blogger papagueno said...

Excelente escolha, o Sérgio Godinho é o meu idolo e nem sequer me lembrei desta canção. "É uma cor que dá na vida o amor..." Jokas!

 
At 1/10/06 00:58, Blogger Patrícia Posse said...

apesar de todas as magnificas e plausíveis definições k ja li pa o Amor, continuo a defender k mesmo k se juntassem as melhores e as mais completas, resultaria sempre numa definição insuficiente para açambarcar esse sentimento arrebatador k pauta as nossas vidas!
***

 

Enviar um comentário

<< Home