sexta-feira, maio 25, 2007

Apeteceu-me «ALENTEJO»


Desta vez, a minha pausa na rotina da minha vida familiar e profissional, foi dirigida para o belo Alentejo.
Comecei pela Sub-região do Alentejo Central:

Estremoz é uma
cidade portuguesa no Distrito de Évora, região Alentejo e subregião do Alentejo Central, com cerca de 9 000 habitantes.
É sede de um município com 513,82 km² de área e 15 673 habitantes (2001), subdividido em 13
freguesias. O município é limitado a norte pelos municípios de Sousel e Fronteira, a nordeste por Monforte, a sueste por Borba, a sul pelo Redondo e a oeste por Évora e por Arraiolos.
É conhecida internacionalmente pelas suas jazidas de
mármore branco. A exploração do mármore de Estremoz tem uma origem muito antiga, como comprova o Templo romano de Évora, que contém mármore originário de Estremoz. Está também presente no altar-mor da Catedral de Évora.


Em
1336, a Rainha Santa Isabel, então com 65 anos, deslocou-se a Estremoz desde o convento franciscano em Coimbra onde se tinha recolhido após a morte de D.Dinis, seu marido, de modo a evitar uma guerra entre o seu filho Afonso IV e o rei de Castela Afonso XI.

Estremoz foi o local de falecimento do rei D.Pedro I, em 1367, no convento dos franciscanos.
Na
crise de 1383-1385, foi uma das cidades conquistadas no Alentejo por João de Aviz e Nuno Álvares Pereira, logo a seguir ao acto de início das hostilidades desta crise dado com o assassíno do Conde de Andeiro em Lisboa. Foi nas proximidades de Estremoz que se deu a primeira batalha entre as duas facções da crise, a batalha dos Atoleiros.
Em
1659, foi em Estremoz que o exército português se reuniu às ordens de D. António Luís de Meneses, conde de Cantanhede, para socorrer Elvas, que se encontrava cercada por um exército espanhol, comandado por D. Luís de Haro. De ali partiram para derrotar os espanhóis na Batalha das Linhas de Elvas, tendo causado enormes baixas aos seus adversários.

O exército espanhol tinha acabado de conquistar Évora. Era constituído por 3000 cavaleiros e 2000 homens a pé, sendo este um dos mais perigosos ataques espanhóis durante a guerra da Restauração. Depois da batalha, o exército espanhol retirou para Badajoz.



O Castelo de Estremoz, no Alentejo localiza-se na cidade de Estremoz, freguesia de Santa Maria, Distrito de Évora, em Portugal.
Erguido em posição dominante sobre uma colina ao norte da
serra de Ossa, tinha como função primitiva a defesa desta raia alentejana. Constituindo-se posteriormente em uma das mais importantes praças-fortes da região do Alentejo, Estremoz esteve ligada a diversos dos mais decisivos episódios militares da História de Portugal. Deu o seu nome, ainda, a um dos mais atuantes destacamentos militares do país, com decisiva ação no Brasil colonial, o Regimento de Estremoz. É ainda de assinalar o facto de nele ter falecido, em 1336, a rainha Santa Isabel.



O castelo medieval ergue-se no topo de uma colina de pedra
calcária, identificando-se elementos dos estilos gótico, moderno e neoclássico. É envolvido por uma cerca baixa ameada, percorrida por um adarve largo, reforçada com quatro cubelos semi-cilíndricos. Pelo lado sul, ergue-se a Torre de Menagem, também conhecida como Torre dos Três Reis ou Torre das Três Coroas. Com 27 metros de altura, coroada por merlões prismáticos, é rasgada por três balcões ameados, com matacães, assentes em mísulas. No interior da torre, dividida em três pavimentos, destaca-se a vasta sala do segundo piso, de planta octogonal e coberta por abóbada polinervada.
Na cerca da cidade, destacam-se a Porta de Santarém e a Porta da Frandina. No interior dos muros, observa-se a imponente galeria ogival da Casa da Audiência, de dupla arcaria apoiada em colunelos de mármore com capitéis historiados, contendo o antigo brasão da cidade. Da época de D. Manuel I subsistem o antigo Celeiro Comum, coberto por
abóbada ogival de nervuras, e a Torre do Relógio.


(fotos minhas)

Etiquetas:

26 Comments:

At 25/5/07 15:20, Blogger Enfim... said...

bem pertinho da minha cidade lol

Bjokas

Bom fim semana

 
At 25/5/07 15:50, Blogger Isa&Luis said...

Olá amiga,

Um belo roteiro, Obrigada pela partilha. As fotos são lindas!

Bom fim de semana,com muitas alegrias.

Beijinhos

Isa

 
At 25/5/07 16:19, Blogger Pierrot said...

E fizeste tu muito bem...
Prefiro o alentejo vicentino mas este cai muito bem também...
Bigada pela historia
Bjos daqui
Pierrot ausente

 
At 25/5/07 18:55, Blogger pitanga said...

Tenho paixão por Évora. Me lembra momentos tão felizes quanto distantes. A Catedral, o Templo...é tudo lindo.

beijos

 
At 25/5/07 22:09, Blogger sonhadora said...

Bom fim de semana!
Beijinhos embrulhados em abraços.

 
At 25/5/07 22:27, Blogger o alquimista said...

Conhecer portugal pelos teus olhos é ums delicia...

Hoje vou celebrar os dons da terra sem a tua companhia, misturar-me com os sons do mundo sem coisa alguma, ao partires abriste em meu coração um caminho...


Bom fim de semana


Doce beijo

 
At 25/5/07 23:11, Blogger Alexandre said...

ALENTEJO... SEMPRE!!!

Também eu preciso de Alentejo de vez em quando, várias vezes por ano, também eu já estive nesses locais onde tu estivestes e adorei...

... porque eu respiro Alentejo, eu preciso do Alentejo para viver!!!

Obrigado por trazeres um bocadinho do Alentejo...

Beijokas!!!

 
At 25/5/07 23:55, Blogger S.M.R. said...

As situações limite

A pessoa vive em situação. Os objectos das nossas intenções, da nossa procura e/ou rejeição fazem parte inevitável da nossa circunstância, das nossas condições e com eles construímos a nossa vida que não é utópica nem intemporal. É situada a partir das condições diversas em que temos de realizá-la. Por isso , a vida é, no dizer de V. Frankl, um perguntar e um responder. Mas um perguntar que se altera em cada momento, e em cada pessoa, concretizando-se de diversas maneiras.
Acontece, por vezes, confrontarmo-nos com situações que não podemos evitar ou modificar. São chamadas as situações-limite.
Ultrapassam-nos, transcendem-nos, obrigam-nos a experimentar os nossos limites, a nossa finitude. Poderosos e humildes, sábios e ignorantes, velhos e jovens estão sujeitos à mesma condição de sofrimento pela doença, pelo abandono, pela miséria, pela culpa, pelo desespero, pela solidão e pela morte.
Hoje assiste-se cada vez mais à generalização arbitrariedade das situações-limite: terrorismo, violência, fome, miséria, “Goulags”, ameaça tecnológica, degradação da natureza, etc..

Que sentido?
“sete homens morrem de fome ou de subnutrição em qualquer parte do planeta por cada minuto que passa. Na época da cisão nuclear e da conquista espacial o Mundo conhece a fome endémica. Jamais na história humana se assistiu a tais diferenças nas condições de vida de seres que pertencem, no entanto, à mesma espécie e que habitam o mesmo espaço. Por um lado, os homens estragam sem contar os recursos vitais, modificando profundamente o seu meio rico e fértil e procurando febrilmente a felicidade no crescimento da opulência. Pelo outro, seres esqueléticos são presa de um meio ingrato e pobre lutando com todas as suas forças pela sobrevivência quotidiana, que o aumento da população torna ainda mais difícil.”
D.Simonnete, O Ecologismo.


Quer queiramos quer não, o Mundo contemporâneo propõe-nos uma tão vasta série de problemas que, a acrescentar ao mistério existencial que subsiste, consciente ou inconscientemente somos forçados a assumir posições, a adoptar atitudes e formas de vida, se não quisermos perder o nosso lugar no Mundo e o seu sentido.
Se a relação homem - Mundo nunca foi uma relação pacífica, hoje, talvez mais do que nunca, este faz com que o homem se sinta como uma necessidade irrecusável o voltar-se para si mesmo em busca de sentidos, de respostas para os problemas da sua condição existencial.
Consegue o homem, através das experiências cientifica, religiosa, política, tecnológica,…ultrapassar a sensação de ausência de sentido da sua vida? Com “quem poderemos contar quando o que está em causa são os problemas do homem e do sentido da vida?
Compreender a existência humana como um projecto do quotidiano, uma experiência do englobante e um mistério são propostas das filosofias actuais na busca de sentidos.
Para os existencialistas, a existência precede a essência, o homem faz-se a si próprio, através de um projecto e é responsável por todos.

O Projecto
“ Que significará aqui o dizer-se que a existência precede a essência?
Significa que o homem primeiramente existe, se descobre, surge no Mundo; e que só depois se define. O homem, tal como concebe o existencialista se não é definível, é porque primeiramente não é nada. Só depois será alguma coisa e tal como si próprio se fizer. Assim, não há natureza humana, visto que não há Deus para conceber. O homem é não apenas como ele se concebe, mas como ele se deseja após este impulso para a existência; o homem não é mais que o que ele se faz.
Porque o que nós queremos dizer é que o homem primeiro existe, ou seja, que o homem antes de mais nada é o que se lança para um futuro, e o que é consciente de se projectar no futuro. O homem é antes de mais nada um projecto que se vive subjectivamente, em vez de ser um creme, qualquer coisa podre ou uma couve-flor; nada existe anteriormente a este projecto, nada há no céu inteligível, e o homem será antes de mais o que tiver projectado ser. Não o que ele quiser ser. Porque o que entendemos vulgarmente por querer, é uma decisão consciente e que, para a maior parte de nós, é posterior àquilo que ele próprio se fez. Posso querer aderir a um partido, escrever um livro, casar-me; tudo isso não é mais do que a manifestação duma escolha mais original, mais espontânea do que o que se chama vontade. Mas se verdadeiramente a existência precede a essência, o homem é responsável por aquilo que é. Assim o primeiro esforço do existencialismo é o de pôr todo o homem no domínio do que ele é e de lhe atribuir a total responsabilidade da sua existência. E, quando dizemos que o homem é responsável por si próprio, não queremos dizer que o homem é responsável pela sua estricta individualidade, mas que é responsável por todos os homens.”

Olá kalinka enganei-me e era para a Papoila o tema A FINITUDE:-)
Deixo-te aqui um pedeçao do meu trabalho com os pontos que referiste:-)
Um bj Sony
Quero tirar um curso na área da Saúde mas Filosofia é obrigatório caso também me interesse em pedopsicologia um curso que também me fascina.
Vou começar outro trabalho muito interessante A IMORTALIDADE DA ALMA!
Nunca pensei que me fascinasse tanto...depois posto alguma coisa no blog!
Bjs e agradeço as visitas...desculpem não ter tempo...para vos visitar!
Um bj Sony:-)

 
At 25/5/07 23:58, Blogger Amaral said...

Que belo, Kalinka?... Évora, Estremoz... Alentejo do meu coração!
Quanta saudade!... Quanta recordação!...
Quando puder, logo, logo, vou passar uns dias ao Baixo, que também é Alentejo, embora com outra beleza!...

 
At 26/5/07 00:10, Blogger Daniel Aladiah said...

Gosto muito de Estremoz e tenho de lá boas recordações.
Um beijo
Daniel

 
At 26/5/07 00:14, Blogger Eärwen Tulcakelumë said...

Assim vou eu conhecendo um pouco mais dessa terra que me encanta. Adorei as tuas fotos.

Deixo-te pérolas incandescentes com o desejo de um ótimo fim de semana.

Eärwen
25.05.07

 
At 26/5/07 01:40, Blogger Menina do Rio said...

Não conheço Portugal e agora tenho minha filha vivendo aí, o que pra mim já é uma oportunidade de um dia visitar estas terras de nosso descobridores.

Beijos e um ótimo fim de semana!

 
At 26/5/07 06:17, Blogger papagueno said...

Que belos passeios os teus minha amiga, sempre locais de grande beleza e com muita história. Parabéns. Gostei do teu Thinking Blogger, já o tinha visto. beijinhos

 
At 26/5/07 10:00, Blogger kurika said...

Alentejo é sempre um bom recarregador de energias...embora não conheça tudo.

Pelas fotografias que mostras deixas ver a calma serena desses lugares...e que lindos que são.

...

Quanto à exposição da Rosário, penso que foi um sucesso.
Fui lá duas vezes, uma com ela e outra sem.
Conheço de perto o seu trabalho, tenho alguns quadros dela, ainda do nosso tempo de estudante.
Aquela minina vai longe...!!!

As "bonecas" ou "gajas" como ela lhes chama são fantásticas.

Conheci algumas pessoas do mundo da blogosfera...e fiquei surpreendida...uma d'elas foi durante anos meu vizinho, claro que sem eu saber.
Mas é engraçado, há muita gente interessante por aí fora...!!!

Tenho andado um pouco afastada, esta é altura do meu pico de trabalho, muitos Balanços a fechar...muito cansaço...poucas horas dormidas, e hoje Sábado, estou só a relaxar um bocadinho, estou aqui, no escritório desde as 6.30h e vai durar o dia todo.

Vou fazer uma retirada no fim desta azáfama...não sei se para o Alentejo, é sempre um bom destino!!!

E já me estiquei muito,..., desejo-te um bom fim de semana e tudo de bom.

Um xi

Ana Amorim
Ana Kurika

 
At 26/5/07 14:44, Blogger MEU DOCE AMOR said...

Belo roteiro.Adoro esses locais.

Obrigada por partilhares.

Beijinho doce

 
At 26/5/07 14:45, Blogger Ana S. said...

Muito bem!
Existe tantos sitio bonitos em Portugal ainda por descobrir ou depois de descobertos, voltar mais uma vez.
Beijos

 
At 26/5/07 14:49, Blogger Moinante said...

Um excelente decomentário , com um fabuloso suporte histórico e geográfico , ilustrado de forma magnifica .

Um bom fim de semana .

Bjos .

" Pedaços "

 
At 26/5/07 16:09, Blogger astuto said...

O Alentejo é especial! Quem não se sente bem com semelhante espectáculo da natureza...

Boa escolha!

Cumprimentos.

PS: Finda a época futebolística, foram entregues os "Prémios Homem Mau" para a malta do futebol:

http://homemmau.blogspot.com

 
At 26/5/07 17:23, Blogger rendadebilros said...

Pelas fotos, parece ter sido uma viagem para limpar a cabeça e a alma. Obrigada por teres partilhado esses momentos também comigo.
Obrigada pela visita.
Beijos.

 
At 26/5/07 18:46, Blogger luar perdido said...

Bela viagem por esse Àlem Tejo que tanto amo! Muito bom suporte histórico o teu, e as fotos nem se comentam! Acho que mereces uma salva de palmas pelo encantdor trabalho com que nos brindas, para mim em especial porque sou "aficionada" do Alentejo.
Parabens pelo teu espaço é deveras agradável visitar-te.
Beijo repleto de manso luar.
Bom fim de semana

 
At 27/5/07 05:10, Blogger Marlene Maravilha said...

Apeteceu-te muito bem!!! Adorei!!
Lindas vistas e excelente texto.
Nunca é tarde para aprender!
beijos

 
At 27/5/07 07:48, Blogger Paula Raposo said...

Obrigada pela partilha ao Alentejo que eu adoro! Beijos.

 
At 27/5/07 13:26, Blogger DE-PROPOSITO said...

Uma bela descrição da tua viagem com fotos de crescer água na boca. De vez em quando visito Estremoz, sendo a ultima visita no sábado 19/5/2007.
Viajar pelo Alentejo provoca-nos uma paz de espírito 'tranquilizante'.
Fica bem.
Felicidades.
Um beijinho para ti.
Manuel

 
At 27/5/07 21:27, Blogger irneh said...

Com as tuas palavras e fotos, consegues provar que o meu Alentejo não é o deserto que por aí anunciam...

 
At 27/5/07 23:30, Blogger girassol said...

Apeteço-te o Alentejo, sempre!...

 
At 28/5/07 23:09, Blogger MiaHari said...

Que lindo, poder viajar contigo!
Beijinho.

 

Enviar um comentário

<< Home